quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

CIRURGIA REFRATIVA


O oftalmologista, diante de um defeito de refração, como a miopia, hipermetropia ou astigmatismo tem a sua disposição alguns meios para corrigi-los.

Existem os meios não cirúrgicos que são a receita de óculos e a adaptação de lentes de contato e os cirúrgicos denominados de cirurgia refrativa.

Aqui cabe um esclarecimento sobre o que realmente significa o termo correção.É frequente o paciente confundir corrigir com "curar" ou eliminar o defeito de refração. E por ser defeito e não propriamente uma doença o termo apropriado é corrigir o que significa apenas anular.Então quando o médico oftalmologista afirma que vai receitar óculos ou lentes de contato para corrigir sua miopia ou hipermetropia quer dizer que vai anular e não eliminar sua miopia e assim tentar lhe proporcionar uma visão próxima da visão normal através desses instrumentos.

Bem, retornando agora à cirurgia refrativa, um dos métodos de correção, abordarei algumas informações de forma genérica para começarmos o assunto e em outros posts poderemos nos aprofundar um pouco mais.

É interessante que fique bem claro que a cirurgia refrativa não tem obrigatoriamente a finalidade de eliminar o defeito de refração, como a grande maioria deseja. A promessa que o oftalmologista deve fazer ao candidato`a cirurgia é que através dela ele vai apenas diminuir a dependência aos óculos ou lentes de contato. Pois se hoje a pessoa necessita usar os óculos em 100% do seu período de vigília, com a cirurgia sua dependência aos mesmos diminuirá para 20, 10 ou, quem sabe, até 0%.O paciente poderá, por exemplo operar e usar os óculos só para ver filmes legendados ou dirigir à noite.

Essa, então é a real expectativa que se deverá ter sobre a cirurgia refrativa.

Quem pode se operar? pessoas acima de 18 anos de idade desde que seu defeito de refração esteja estável por um ou dois anos.É conveniente operar graus não muito baixos, ou seja acima de 1 ou 1,50.Sendo à laser o grau máximo corrigível é em torno de 10 dioptrias(graus).

Para dioptrias acima de 10 as técnicas cirurgicas são outras.

Riscos: como em todo procedimento cirúrgico existe mas é mínimo, quase zero e o risco mais temido é a infecção.
Interessante notar que tanto na adaptação de lentes de contato como na cirurgia refrativa,
em ambas as situações o médico executa um procedimento na córnea que o caracteriza como ato médico evidente.

Hoje fico por aqui.Retornarei ao tema nos próximos dias.

Dúvidas cliquem em comentários.

3 comentários:

Anônimo disse...

Ola! Sou Leticia,tenho 26 anos e uso oculos desde os 7 no inicio foi mto dificil, quebrava mtos oculos não queria usar tinha vergonha, mas precisava pois enxergava com mta dificuldade e o probema foi se agravando com o passar dos anos. Hoje tenho 13Graus no OE,11 no OD miopia e astigmatismo juntos. Ja tentei usar lente de contato mas foi a fluorcarbonada(dura) mas não consegui me adaptar de maneira alguma. Contando com o meu oftalmo ja passam de 5 que dizem a mesma coisa ja fui em clinicas especializadas em cirurgia mas cirurgia nem pensar..infelizmente! Não aguento+ usar oculos todo ano e a mesma coisa faz revisão o grau sempre aumenta e la vou eu fazer oculos novo detalhe sempre com a lente mais fina possivel para não aparentar o grau forte.Consultei a dois dias e meu oftalmo me indicou a lente torica fiquei entusiasmada volto a falar sobre isso depois. Gostaria de dizer que gostei mto de ler esses relatos com problemas parecidos com o meu li sobre a lente torica acho que iria me adaptar bem.Obrigada um abraço Leticia

Denise disse...

Olá, Doutor. Novamente conto com a vossa ajuda para dirimir algumas dúvidas.
Bom, tenho 28 anos e 5 graus de miopia e 1,75 de astigmatismo em cada olho. Em 2006, fui a uma clínica fazer um exame oftalmológico para verificar a possibilidade de fazer uma cirurgia corretiva. Após os exames, o médico sugeriu que eu não a fizesse pelo fato de eu ter um grau relativamente alto e a córnea muito fina. Ele disse que até poderia fazer, mas haveria o risco de voltar o grau pois não havia um exame que medisse a elasticidade da córnea. Eu gostaria de saber se isso procede e se eu realmente nunca poderei realizar a cirurgia. Uma vez me disseram que a medicina no Japão nessa área de oftalmologia é bem desenvolvida e que talvez eu pudesse fazer a cirurgia aqui. Bom, com toda vossa experiência, gostaria de saber vossa opinião sobre o assunto. Grata, Denise

Lentes de Contato Dr Lazaro disse...

Denise,
Pouco posso lhe ajudar sem saber o resultado de seus exames.
A alegação de maior risco em córnea fina procede, porém mesmo assim depedendo de determinanos exames com modernos aparelhos tais como o ORBSCAN OU PENTACAN podem fornecer melhores subsídios para ver se pelo menos não seria possível operar pela técnica PRK.
Questione isso em outra clínica